Construcionismo

Social

O construcionismo social, considerado por muitos como um movimento, consiste em um conjunto de contribuições teóricas que influenciam diversas áreas de produção do conhecimento. Suas propostas evidenciam as peculiaridades históricas e culturais das diferentes formas de entender e descrever o mundo, a importância dos relacionamentos humanos na construção e na manutenção do conhecimento, a conexão entre conhecimento e ação e a valorização de uma postura crítica e reflexiva.

 

No campo da Psicoterapia, as ideias construcionistas sociais tem se concretizado através de propostas de intervenção que implicam em um novo entendimento sobre a postura do terapeuta e o processo terapêutico. Dentre as terapias sensíveis ao movimento construcionista estão a Terapia Narrativa desenvolvida por Michael White e David Epston, os Processos Reflexivos de Tom Andersen e a Abordagem Colaborativa de Harlene Anderson.

 

A ideia de falar sobre o construcionismo social é desafiadora, por isso, convido Keneth Gergen, psicólogo social e um dos principais autores deste movimento, para atender àqueles que gostariam de saber mais sobre o tema. Neste vídeo, Gergen fala sobre as proposições que ele considera centrais para o construcionismo social, além de suas implicações, práticas e controvérsias.

Os seguintes vídeos nos ajudam a compor esta conversa sobre o construcionismo social. Simone de Beauvoir, mesmo que nos escreva a partir de uma outra perspectiva que não a construcionista, nos ajuda a entender como os significados das palavras se dão através de acordos e expectativas sociais, além de problematizar os valores e formas de vida que sustentam e são sustentados por estes significados. Ludwing Wittgenstein utiliza a analogia do “Besouro dentro da caixa” para elucidar seu entendimento sobre a linguagem enquanto a própria condição de nosso pensamento, e não mais como um simples veículo para expressar nossas ideias, enfatizando os significados aprendidos e compartilhados socialmente ao invés de um suposto mundo interior de nossas ideias.